O Boxeador Polaco

Olá..

Gostaria de compartilhar uma análise que fiz do conto O BOXEADOR POLACO, retirada do livro homônimo, que escrevi para um trabalho de Teoria da Literatura IV.

box pol

(Capa do livro em Espanhol)

O_BOXEADOR_POLACO_1411997688B

Sabemos que o narrador pós-moderno não trás a experiência. Entende-se que os homens voltaram da Primeira Grande Guerra, a das Trincheiras, com menos experiências comunicáveis do que tinham quando entraram. Compreende-se, também, que não é possível pensar poesia depois de Auschwitz-Birkenau, porque as experiências também não são comunicáveis.

Escrevo sobre este texto porque, pessoalmente, sempre me interessei por histórias relacionadas à Segunda Guerra Mundial. Em dois mil e dezesseis conheci um pouco melhor o que foi a história por trás do que os livros contavam quando viajei pela Europa e visitei alguns lugares importantes para essa história. Na Polônia, em Cracóvia especificamente, visitei o memorial do Holocausto e o Museu Fábrica de Schindler, onde aprendi parte da história que contada por quem realmente sente, até hoje, o peso da tragédia da Guerra na vida de suas famílias.

Eduardo Halfon começa a história como se o neto contasse a história ainda criança. As palavras em Ídiche mostram o avô em cena.Ele se torna presente no texto através das descrições do menino.

O autor assume essa linguagem meio infantil. Em um dado momento o narrador já não é mais uma criança. O discurso torna-se o de alguém mais maduro, já adulto.

A imagem é a do interior de uma casa – o exterior também é descrito. Quando lê-se “Foi em Auschwitz”, já não é a voz do narrador. A palavra passa para o avô.

Quando o avô começa a falar, pela primeira vez em sua vida, o neto acredita que é a verdade. O neto volta a narrar de aparece a voz do “homem da experiência”. Algumas cenas demonstram certa fragilidade do avô.

Neste conto, as palavras vêm como um jogo, de repente.O autor cria um paralelismo. Há silêncios perturbadores e pausas dramáticas e mudanças entre as falas das personagens. O neto tenta conectar os fatos contados por seu avô com o que ele ouvia na infância.

edu halfon

(Eduardo Halfon)

Eu recomendo a leitura do conto, especialmente se você – assim como eu – se interessa pelas histórias da Segunda Guerra Mundial. (Ou, mesmo que você não goste tanto, é muitíssimo bem escrito.)

Espero que tenha gostado/se interessado/aprendido algo.

(Todas as imagens deste post foram retiradas do Google imagens)

Até mais.

Danni Victorino :*

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s